CADERNO DE VIAGENS - suplemento de "Aparas de Escrita"

Locais e ambientes, pessoas e costumes, histórias, curiosidades e acontecimentos.

Statistiche sito,contatore visite, counter web invisibile TRANSLATE THIS PAGE

quarta-feira, julho 09, 2008

LÁGRIMAS DE CROCODILO

Por tudo e por nada, aí tem o Brasileiro a lágrima pronta como as que exibem por dever de ofício as estrelas de cinema.
Claro que há lágrimas autênticas, sentidas e com razão. Já vi muitas. E lágrimas silenciosas, às vezes as mais doridas. Longe de mim negar essa realidade.
As lágrimas artificiais de que falo são as que não resistem a uma análise séria quanto aos motivos, ao objecto e às intenções do choroso ou da chorosa. Permitam-me alguns exemplos.
Em campanha eleitoral para segundo mandato, Luís Inácio Lula da Silva comove-se e chora ao ouvir uma banal cançoneta brasileira cantada por uma banalíssima intérprete brasileira. A sua popularidade tinha decaído e a reeleição, pelo menos à primeira volta, estava comprometida.
Em Brasília, vários deputados da oposição arguidos em processos que decorreram no Conselho de Ética da Câmara, ao serem interpelados quanto ao recebimento de verbas para votarem as propostas do governo, ou por acusação de envolvimento em esquemas de desvio de dinheiros públicos, choraram como menininhos injustiçados, protestaram a sua inocência, e até talvez tenham tocado alguma corda sensível dos seus pares. A verdade é que foram escandalosamente absolvidos. Mas a Polícia Federal não se comoveu e indiciou a maioria deles pelos crimes de que eram acusados. A partir daí não choraram mais.
No Rio de janeiro, uma jovem de pouco mais de 20 anos chora em torrentes, inconsolável, perante o assassinato do pai e da mãe enquanto estes dormiam. Está presa por ter sido a instigadora e cúmplice material do crime executado pelo namorado e um irmão deste. A fortuna em jogo era grande.
Uma jovem e atraente cabeleireira, inesperadamente viúva, chora a morte do companheiro assassinado. Ele era milionário desde há dois anos, mercê dum chorudo prémio de apostas mútuas. Está presa por autoria moral do crime, juntamente com mais nove facínoras, incluindo dois dos seus amantes.
Num subúrbio, a mãe jura, por entre trejeitos de desgosto e lágrimas em cascata, que o filho, quase menino ainda, era honesto, trabalhador, exemplar. Foi vitimado por uma bala da Polícia durante uma incursão a uma cidadela da droga onde o rapaz "trabalhava". Deixou de poder sustentar a família.
Numa entrevista longa a um programa de televisão que aborda escandalozinhos e outras coisas comezinhas, um estilista amaneirado – que habitualmente faz parte do programa – chora, chora e chora, apela para a mãe que tão bem o conhece, e declara-se dependente de remédios contra a depressão. Tudo isto para tentar limpar a imagem que deixou no público quando foi apanhado em flagrante a roubar dois valiosos vasos de mármore de Carrara num cemitério de São Paulo.
A que se deve tamanha capacidade e propensão para a choraminguice?
Não será pelo clima. Apesar de considerado um país tropical, o Brasil tem quase todos os climas possíveis: de 33 graus fixos durante todo o ano, às quatro estações bem demarcadas, com neve no Inverno, passando por regiões temperadas.
Pelo tipo de território também não. País onde cabe praticamente toda a Europa, a sua diversidade de morfologia e tipo de terreno não pode justificar a lágrima pronta a cair do canto do olho.
Será a poluição? Agora sim. A poluição ajuda muito. A poluição mental, entenda-se.
As tele-novelas, muitas, uma praga, a decorrer em simultâneo a toda a hora do dia, apelam aos sentimentos mais primários, entre a raiva e a paixão, o ciúme e a tolerância sem regras, o ódio e o amor cor-de-rosa, tudo isto marcado por intrigas e vinganças e por toneladas cúbicas de falsas lágrimas – e o espectador chora com os seus heróis.
Os noticiários, impressos, radiofónicos ou televisivos, principalmente estes, exploram as imagens dos que choram para as câmaras e não respeitam as lágrimas dos que têm razões para chorar. Os comentários dos apresentadores e as perguntas dos repórteres, tantas vezes cabotinos, não visam a notícia, mas apenas vender mais (papel ou tempo de antena). As alfinetadas permanentes nos sentimentos das pessoas (e o Brasil tem um baixo índice de alfabetismo, muito analfabetismo funcional e pouco poder de análise crítica) prepara o terreno para o choro fácil.
Habituado a ver chorar os outros, na realidade ou em fantasia de que não se apercebe, o Brasileiro aprendeu por contaminação o jogo do chorar. Pensa ter assim conseguido uma arma. E vai chorando, chorando tanto mais quanto mais precária for a sua segurança material e psíquica.



2 Comments:

Anonymous Graham Golmard said...

Já notou que ninguém comenta nessa porcaria de blog?

Como cidadão britânico, casado com uma brasileira, e conhecendo o País já há bastante tempo, tento entender essa sua obsessão por difamar o Brasil.

Você é um mentiroso descarado. Conta lá! Qual o seu problema? Por quê você não retorna à Portugal? Por quê escolheu viver no Brasil, se o País é essa desgraça toda?

Algumas coisas que você inventa, aumenta, exagera, distorce sobre o Brasil seria equivalente a dizer que em Portugal só existem desdentados porque eu quando passei por lá, vi muitos.

Por que você não aproveita a onda xenófoba que se instala na Europa e retorna ao seu país, um império que ruiu em 1808, e que hoje vive às custas da Comunidade Européia, que salva Portugal, um lugar de vagabundos que vê alastrar o desemprego, a corrupção (esta sempre foi marca registrada portuguesa), impunidade, analfabetos (tem um das piores médias de avaliação européia) e crimes de toda sorte?

O "escritor", canalha, pode escrever mais um de seus rebuscados blá-blá-blás a respeito do que eu disse, afinal, parece que lhe falta assunto, e suas "coisas" não passam de retórica. Para que público mesmo? Pelo que vi, desde 2002, esse blog tem 12 comentários (isso a contar com o meu, além de 8 que são spam)

Nas minhas próximas férias por Portugal, darei umas moedinhas aos pedintes que por lá abundam, e estou considerar a idéia de criar um blog na minha língua nativa para contar como são as coisas no País dos burros.

Você me cheirar a um ultra-direitista racista, classista, além de ser um péssimo hóspede.

Vá arrumar um trabalho de verdade.

sexta-feira, julho 11, 2008 2:45:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Típico texto de um português morto de fome que o Brasil resolveu acolher.

Por esssas e outras, o portugues é um povo desprezado em toda a Europa, chamado "the Blacks of Europe" (Lord Byron) por todos e desdenhado pela sua ignorância.

Que vá lavar latrinas em Paris, o destino preferido dos portugueses para não morrer de fome.

sexta-feira, dezembro 18, 2009 5:40:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

[View Guestbook] [Sign Guestbook] Votez pour ce site au Weborama Estou no Blog.com.pt
eXTReMe Tracker Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons para José Luiz Farinha.